STF confirma para dia 17 julgamento de denúncia contra Aécio Neves

15/04/2018
Senador é alvo de inquérito resultante da delação do empresário Joesley Batista, do grupo J&F (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Senador é alvo de inquérito resultante da delação do empresário Joesley Batista, do grupo J&F (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
O ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), decidiu manter para a próxima terça-feira (17) o julgamento sobre o recebimento da denúncia da PGR (Procuradoria-Geral da República) contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) em um dos inquéritos resultantes da delação do empresário Joesley Batista, do grupo J&F. As informações são da Agência Brasil. 

 

Também são alvos da mesma denúncia a irmã do senador, Andrea Neves, o primo dele, Frederico Pacheco, e Mendherson Souza Lima, ex-assessor parlamentar do senador Zezé Perrella (PMDB-MG), flagrado com dinheiro vivo. Todos foram acusados de corrupção passiva. 

Acompanhe o Bananeiras Online também pelo twitterfacebookinstagram youtube

O pedido de adiamento foi feito pela defesa de Andrea. O advogado alegou que não poderia comparecer à sessão porque teria de participar de outro julgamento no STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Para o ministro Marco Aurélio, a defesa não apresentou justificativa relevante. "Nada impede que os julgamentos agendados para a data sejam ordenados, no próprio dia, de modo a possibilitar ao profissional, ante a proximidade dos Tribunais, a realização de sustentação oral em ambos", decidiu.

Segundo a denúncia, apresentada há mais de dez meses, Aécio solicitou a Joesley Batista, em conversa gravada pela Polícia Federal, R$ 2 milhões em propina, em troca de sua atuação política. O senador foi acusado pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot dos crimes de corrupção passiva e tentativa de obstruir a Justiça.

Em nota divulgada na última terça-feira, o advogado Alberto Toron, que representa Aécio Neves, disse que o senador foi "vítima de uma situação forjada, arquitetada por criminosos confessos que, sob a orientação do então procurador Marcelo Miller, buscavam firmar um acordo de delação premiada fantástico". 

POR FOLHAPRESS




Outras Notícias