Em novos trechos de delações, Livânia cita João, Cássio, Maranhão e deputados; entenda

13/01/2020

O governador João Azevêdo, o ex-goverandor Ricardo Coutinho, o ex-senador Cássio Cunha Lima, o senador José Maranhão, diversos deputados e empresários foram citados em novos trechos vazados da delação premiada da ex-secretária Livânia Farias. O material foi publicado pelo jornal Estado de São Paulo nesta segunda-feira.

Na delação, Livânia fala em um suposto mensalão de R$ 120 mil para João Azevêdo para despesas de campanha, além disso, a ex-secretária também afirmou que entre os anos de 2013 e 2014, alguns deputados estaduais também estariam recebendo mensalão para votar de acordo com o governo: Antônio Mineral, Branco Mendes, Eva Gouveia, João Gonçalves, Lindolfo Pires, Márcio Roberto e Tião Gomes.

Livânia contou que foi convocada para uma reunião com Azevêdo, que estava acompanhado por Waldson Sousa. Neste momento ficou definido que ela não seria mais a responsável pelas propinas. A ex-secretária alegou ainda que Ricardo Coutinho, Cássio Cunha Lima, Luciano Cartaxo e José Maranhão tinham conhecimento do que ela fazia em todas as campanhas eleitorais.

Como funcinava

No trecho que se refere a João, Livânia contou que o governador sabia que o dinheiro vinha de contratos com a saúde. Além disso, ela narrou o suposto envolvimento do governador com a corrupção de fiscais em obras de esgoto e também outros repasses de R$ 900 mil para pagar fornecedores de campanha, mas que após a campanha decidiu abandonar o suposto esquema, porém ficou acertado que ela continuaria no governo até o fim do primeiro ano, a pedido do próprio João.

De acordo com a ex-secretária, no período de transição para seu governo, João Azevedo teria demonstrado preocupação e a vontade de romper com as organizações de saúde que geriam hospitais na Paraíba. Então ela o teria alertado que os R$ 120 mil que recebia mensalmente foi a Cruz Vermelha quem deu.

O que diz João

Em entrevista nesta segunda-feira, o governador rebateu as acusações.Ele falou que jamais recebeu recursos de quem quer que seja para fazer uso pessoal e que os recursos de campanha foram bancados pelo partido. “Jamais autorizei que alguém recebesse recursos ilegais. Tivemos uma campanha limpa, a mim cabia estar no mundo rodando como rodei 40 mil quilômetros e não cuidava da área financeira, havia uma coordenação e estrutura que cuidava disso e, infelizmente, os termos usados fazem, de forma equivocada, uma ligação. Mensalão para o governador, eu jamais recebi mensalão de ninguém”, disse.

João alegou ainda que desde o início doa ano começou a tomar medidas com relação as OSs e que acreditava que retaliações iriam acontecer. “Está aí a prova”, disse.

E Cartaxo

O prefeito de João Pessoa, se limitou a dizer que o governador que precisa se preocupar com a Operação Calvário. “Vocês perguntem ao governador, é uma denúncia muito séria que foi apresentada pela auxiliar do governo em relação ao recebimento de propina, mensalão… tem que ser apurada pelos órgãos fiscalizadores”, disse e finalizou: “A Calvário não tem nada a ver comigo, meu papel é trabalhar por João Pessoa”.

João rebate

O governador ainda rebateu o prefeito que ‘tirou o corpo fora’ alegando que Cartaxo “tem lá os processos dele” e que “cabe ao MP investigar e o Executivo fazer gestão”.

Empresário e ex-secretário de Cássio citados

Em outro trecho, Livânia revelou que o ex-secretário de Administração da gestão de Cássio Cunha Lima, Gustavo Nogueira, a levou a procurar o empresário Roberto Santiago, antes do primeiro turno da eleição de 2010 para pedir ajuda para a campanha.

Pela proximidade do pleito, o empresário teria dito que não dava mais tempo, mas a ex-secretária insistiu que precisava levar o dinheiro para Campina Grande, e Santiago pediu, então, que ela assinasse um cheque no valor de R$ 250 mil. Em troca, o valor foi enviado para o ex-secretário no “Dia D”, na eleição na cidade. A dívida teria sido paga, de acordo com Livânia, no ano seguite, ocasião em que o cheque foi devolvido para ela.

Resposta de Cássio

Procurado pela redação do Portal Paraíba.com.br, a assessoria afirmou que o ex-senador não vai se posicionar sobre o fato.

José Maranhão

Até o fechamento desta matéria o senador não havia respondido às tentativas de contato feitas pela redação.


Porta Paraíba




Outras Not?cias