Amidi ameaça ir à Justiça para garantir transmissão do Paraibano

11/01/2018

 Terminou sem definição a reunião que aconteceu nesta quarta-feira (10) entre a Federação Paraibana de Futebol (FPF), clubes, e representantes de TVs online para discutir a proibição de transmissão de jogos do Campeonato Paraibano.

A FPF convocou outra reunião entre a entidade e os clubes para avaliar a possibilidade de rescisão do contrato de exclusividade de transmissão com a Esporte Interativo que tem validade até 2022.

Em uma discussão acalorada, os representantes das TVs Online cobraram o direito de transmitir os jogos já que a Esporte Interativo não cobrem as partidas. Eles ameaçam até levar o caso à Justiça.

“A gente está brigando para transmitir, dar visibilidade e dinheiro aos clubes. Mas estamos amarrados por um contrato que a  Esporte Interativo tem com a FPF  e estamos impedidos. Se o presidente Amadeus Rodrigues quiser ele pode ao nosso lado judicializar e liberar. É bem prático isso”, considerou Gutemberg Cardoso que representou na reunião a Associação Paraibana de Mídias Digitais (AMIDI).

O presidente da FPF, Amadeus Rodrigues, voltou a sustentar que não pode liberar as transmissões para que a instituição não venha a ser penalizada por desrespeitar o contrato com a Esporte Interativo.

De acordo com ele, os clubes é que decidirão se rescinde o contrato com a empresa ou não.

“Na próxima semana a gente vai fazer essa reunião para discutir porque não é só os portais que estão insatisfeitos. Os clubes também estão e isso foi dito aqui. É uma vergonha o campeonato disputado como é o nosso e com uma despesa enorme e a gente ficar amarrado com a Esporte Interativo”, afirmou.

TV Empreender consegue direito de transmissão

Por outro lado, a TV Empreender conseguiu junto a Esporte Iterativo a liberação para transmitir os jogos do Paraibano. Esse fato esquentou ainda mais o debate na reunião da FPF.

O diretor da TV Empreender, Arnaldo Silva, defende o entendimento para a criação de um rede de Tvs online que possam atender aos clubes paraibanos.

“Eu convido os nossos companheiros de mídias digitais a sentar para avançar”, destacou.

A Amidi considera positiva a liberação para uma TV, mas questiona critérios e o motivo da permissão isolada. A entidade quer o princípio da isonomia e defende que demais sites do Interior – que já fazem esse trabalho há quatro anos – tenham o mesmo direito de continuar transmitindo as partidas.

“Não aceitamos privilégios e nem discriminação. O que vale para um deve valer para todos”, sustentou Gutemberg Cardoso.

MaisPB




Outras Notícias