Governo anuncia R$ 1,7 bilhão para ampliar serviços de saúde

13/07/2017

O presidente Michel Temer participou nesta quinta-feira (13), no Palácio do Planalto, de um anúncio de R$ 1,7 bilhão para ampliar investimentos no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), atenção básica de saúde e transporte sanitário.

Este é o quarto evento público do presidente em quatro dias. Em três desses eventos ele anunciou recursos para programas do governo. A agenda coincide com a semana em que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara analisa a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente. 

Acompanhe o Bananeiras Online também pelo twitterfacebookinstagram e youtube

Na terça-feira (11) o presidente participou do anúncio de recursos do Banco do Brasil para o plano safra 2017/2018 e da sanção da lei que flexibiliza regras de regularização fundiária. Já na quarta-feira (12) o presidente anunciou um plano para incentivar obras e concessões de infraestrutura em municípios.

Anúncio

Segundo o Ministério da Saúde, R$ 771,2 milhões serão investidos em atenção básica, que inclui saúde da família, consultórios na rua, agentes comunitários de saúde e equipes de saúde bucal.

Outros R$ 277,6 milhões serão destinados a compra de ambulâncias do SAMU, R$ 510 milhões serão liberadas para os municípios para a compra de 6.500 ambulâncias brancas e R$ 190 milhões para aquisição de 1.000 vans, que serão usadas para o transporte de pacientes, por exemplo, de quem faz hemodiálise.

Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, os recursos foram economizados pelo próprio Ministério da Saúde. “Estamos revertendo toda a economia em benefício da população”, disse.

A economia ocorreu com a renegociação de contratos do ministério, como contratos de compra de medicamentos e vacinas.

Elogios

Durante a cerimônia, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, elogiou o presidente Michel Temer e disse que queria agradecer por ele ter optado pelo reconhecimento e não pela popularidade. “Quero saldar aqui o nosso presidente Michel Temer e agradecer por ter optado pelo reconhecimento e não pela popularidade. O Brasil vai te agradecer”, disse.

O ministro citou ainda a aprovação da reforma trabalhista pelo Senado Federal e que será sancionada pelo presidente Michel Temer na tarde desta quinta-feira.

G1




Outras Notícias